Pré-via

Hoje acordei de bom humor. Nunca entendi o porquê de quase nunca ser assim. Ouço músicas que falam de histórias de amor e me pergunto se um dia alguém escreverá uma sobre mim. Foi algo que escrevi anos atrás.

Gosto de ver a minha vida como se fosse um filme. Gosto de imaginar que conseguimos parar e avançar em câmera lenta. Queria tanto recordar das coisas que achei importante quando vi. Dedico frases e pensamentos, mas quem é que me ouve gritar?

Sempre precisei de alguém que me ouvisse chiar, mas aquela menina de cabelos vermelhos já pegou abuso de mim. Ando como se fosse apenas eu nas ruas. Durante muito tempo as pessoas me ensinaram a achá-las sem importância e isso me endureceu.

Por diversas vezes tentei me esconder do mundo, mas sempre que me abro para alguém a faço fugir. Penso se haverá alguma mulher que me segurará e não me deixará fugir. Acho que é isso que eu sempre quis.

Encontrei nas festas e nos copos de vodka o prazer e a melancolia de estar só e ao mesmo tempo a felicidade de estar com as pessoas que acho importante. Costumo sentar e pensar o quanto a fumaça dos cigarros me ajudava a compor.

Nunca entendi ao certo se o destino existia ou não, só sei que ele sempre me surpreende. E a força das mascaras que me rodeiam me fazem odiar sentimentos.


“Acho que encontrar alguém especial é encontrar alguém que possa te aturar e te suportar dez minutos de cada vez...”

As besteiras que faço...

Já procureis desculpas para tudo na vida e a que menos consegui entender é porque das besteiras que faço. Mesmo sem querer acabo me metendo em coisas que nada tem a ver comigo...

Como dizia Fernanda: “pouco adiantou acender cigarros, falar palavrão e perder a razão...”.

Tenho me martirizado demais por coisas assim.

Como eu pude perder a chance que sempre esperei só pra bater cabeça ao som de bandas boas. Talvez isso nem tenha valido realmente a pena. Esperar uma nova chance é o que eu chamo de ressaca agitada.

Eu nunca consegui ficar parado mesmo. Minha adrenalina nunca me deixou esperar, se bem que esperar é perda de tempo para caras como eu, mas se arrepender pelo resto da vida é a pior coisa do mundo e muito mais por ser por coisas que você não fez. Isso me irrita às vezes.

Tenho pensado muito sobre a pessoa que estou me tornando. Acho que deixei de ser quem eu conservava para ser quem eu odiava. Estou tentando me achar e não posso te dizer se vou mudar.

As tentações deste mundo são grandes e acabam nos agarrando pelas pernas e como você me levam sempre onde querem.

Lili é quem sempre dormia com um drink na mão, se arrastava com seu jeito tão estranho. Lili é quem via assombração e filosofava no balcão. A única coisa que sinto igual a ela é essa maldita vontade de explodir o mundo, mas sou só um garoto tentando ser perfeito.

E talvez Fernanda tenha toda razão...

Curtindo a vida adoidado...

Você já inventou alguma doença só pra não ter que ir ao colégio? Bem, se não, você não é desse planeta. Eu mesmo já cheguei a usar um velho catalogo de doenças virais só pra me safar de uma triste aula de matemática.

Qual é? Acha mesmo que desperdiçar um dia inteiro dentro do colégio vale como experiência de vida? Não mesmo...
Nos tempos de escola era fácil de mais arrumar mentiras ou mesmo nem aparecer no colégio as 7h da manhã. Já na faculdade é melhor ainda, a gente nem precisa entrar em sala mesmo.

Alguém ae já deve ter assistido aquele filme dos anos sei lá o que, em que o cara mata aula e faz de tudo pra curtir...o nome? Qual? Curtindo a vida adoidado...eu sempre adorei esse filme, mesmo não sendo muito fã de filme.

Lá, o cara fala coisas certas sobre a sua vida, como a ilustre frase usada no inicio do filme: “A vida passa muito rápido e se você não curtir de vez em quando a vida passa e você nem vê...”, quer certeza maior?

Mesmo quando você realmente tem uma prova, mas quem liga pro socialismo europeu? Eles podem ser Nazistas ou Fascistas e isso não iria mudar o fato de eu não ter um carro. Uma das coisas mais legais na sala de aula é os fofoqueiros de plantão, eles acabam nos ajudando quando a gente falta à aula e eles espalham um boato de que nos viu desmaiando em uma lanchonete noite anterior. O professor acredita e põe nossa justificativa.

Agora pé no saco é aquele seu amigo que fica doente de verdade e num quer sair de casa porque diz que está morrendo... Vai acabar morrendo mesmo se continuar assim... Você tem que sair de casa de vez em quando e ver o que a vida tem pra te mostrar e isso sim que nos faz sentir vivos.

Uma dica certa é que nunca se vai longe demais e se acaso um dia você for preso saiba que nunca poderá ser por algum idiota qualquer. Certa vez entramos numa briga meio que sem querer, foi idiotice não ter visto que os portões da quadra estavam trancados. Acho que se a policia tivesse procurado no armário do zelador tínhamos ido em cana e isso não é bem legal para um garoto de 8ª série.

Enfim, a vida é feita para ser vivida e não sobrevivida, como eu já havia dito antes. Afinal de contas, a gente só vive uma vez...

II Rock Fest Independênte


A segunda edição do Rock Fest Independente veio pra terminar as férias com chave de ouro ou mesmo com muito Rock n Roll e pouca birita...

A festa teve inicio as nove e pouco, subiu a S.E.O.M. tocando um screamo/post hard core. Agitou o inicio da festa e o pessoal aproveitou para desfrutar do bar, que contava com Sapupara limão, Jurubeba e Cerveja. A parte ruim desse bar é que na terceira banda já não tinha mais Sapupara.

A festa continuou com a Arame Farpado, tocando um pop rock nacional pra descontrair os ânimos. Os clássicos do Eng do Hawai ajudou a animar e completando com Hape me ressurgindo os tempos de tocar Nirvana nos palcos de Sobral.

Finalmente sobe uma das bandas mais esperada da noite, Yowsa, Hard Rock puro... Regado a Mothorhead, Guns e AC/DC...
Foi muito bom, a galera toda pulando e zuando, a roda punk já havia reduzido e estávamos só batendo cabeça...

Durante cada banda ficava o DJ tocando e as luzes revezando entre acesa e apagada... deu um ar até que bom, mas a bebida ter acabado sedo é que lascou. A lotação foi maior que na edição anterior da festa.

A banda Linkage de Hard Core desistiu e o aviso foi dado após a Yowsa. Pelo entendido algum dos integrantes estava tocando numa banda de pagode naquela mesma hora e por isso não pode comparecer... oh droga em pras minas que só estava lá pra ver essa banda...

Então a banda Sobre o Fim subiu ao palco, um metalcore regado a As I Lay Dying e Killswitch engage animou até os defuntos. A roda punk aumentou de forma estrondosa e até o vocalista estava mandando dividir a quadra pra começar a porradaria.

A festa se encerrou por volta da 1h e todos voltando dentro do buzão cantando Matanza uma mo altura... Uma dessas tem que se repetir...ahh

G+

Mostruário...

Qualquer Coisa © 2008. Blog design by Randomness