Ministro da Justiça diz que games incentivam a violência no Brasil

Esta semana, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, participou de um evento da OEA – Organização dos Estados Americanos – nos Estados Unidos. No evento, ele apresentou um pacto nacional criado pelo governo federal brasileiro para diminuir os homicídios no Brasil.

Tal abordagem ressalta perfeitamente o caso da cidade de Fortaleza que, segundo a ONG Conselho Cidadão Pela Seguridade Social, Política e Justiça Penal, do México, de ocupar a oitava posição entre as cidades mais violentas do mundo.

No discurso do ministro, que sugeriu que jogos com violência incentivam a criminalidade, ele citou:

A violência é hoje cultivada e aplaudida, seja em esportes ou jogos de crianças pequenas [...] Outro dia ouvi um especialista dizer que nunca viu um game em que o vencedor é quem salva vidas, pois o vencedor é sempre quem mata. Essa cultura da exaltação da violência se projeta e acaba banalizando a violência, disseminando uma realidade perversa em que seres humanos podem aniquilar, ferir os outros, em atos que são socialmente reprovados

Apesar de o ministro ter feito esta relação entre videogames e violência, nenhuma medida real, em relação a jogos eletrônicos, foi adotada.

Veja o nosso comentá em vídeo, em nosso canal no Youtube:



Principal fonte: OlharDigital dia 15/01?2015

Acordar pela manhã e ver a claridade misturada ao frio que o inverno trás é meio difícil não se sentir confortável. Então olho o celular e vejo uma noticia chata que me fez lembrar tanta coisa... Recordo daquela época de sentar na calçada e tocar Lady Grinning Soul até de manhã...

Era até engraçado lembrar, pois naquela época, a ultima coisa que queríamos pensar era em envelhecer e costumávamos gritar: Como a folha se agarra à árvore, agarre-se a mim, porque somos como criaturas do vento, e selvagem é o vento... Isso fazia a gente se sentir tão bem...

Mas hoje as coisas mudaram um pouco e vemos que aqueles mesmos velhos que mandavam-nos sair de suas calçadas foram as pessoas nas quais nos tornamos e isso da medo, pois faz pensar em quanto o tempo já passou e questionar o quanto tempo ainda temos...

Eu costumava ter uma frase feita para tudo e a que definia minha idade tenra era de que nada acontece se você não aparece e isso fez toda a diferença naquela época, hoje, logicamente, penso diferente, mas mesmo assim, eu faria tudo de novo...

Obs.: Simples homenagem a David Bowie, poeta embalador de noites de frio, cordas e calçada...


Obs1.: Música citada no segundo parágrafo: Wild is the Wind; citação sem autor definido...

G+

Mostruário...

Qualquer Coisa © 2008. Blog design by Randomness