Nesse momento...

Nesse momento há 6 bilhões, 470 milhões, 818 mil, 671 pessoas no mundo. Algumas estão fugindo assustadas. Algumas estão voltando pra casa. Algumas dizem mentiras pra suportar o dia. Outras estão somente agora enfrentando a verdade. Alguns são maus indo contra o bem. E alguns são bons lutando contra o mal. Seis bilhões de pessoas no mundo, Seis bilhões de almas. E ás vezes tudo que nós precisamos é de apenas uma...
       

       
Obs.: Texto retirado de um episódio da série One tree hill...

Nenhuma preocupação até o fim do capuchino...

Por favor, mantenha a calma, apesar da ameaça anterior.
Sou só garganta...
Não sou violento.
Não sou maldoso.
Sou um resultado...

Às vezes me pego pensando em como a minha vida será daqui em diante... Eu posso simplesmente deixá-la seguir e esquecer de vez ou posso simplesmente fazer o que quero e ao mesmo tempo o que não quero...

Tenho esse mal idiota de me arrepender fácil das coisas que digo quando não quero dizer... Queria que fosse mais fácil se tocar que era só da boca pra fora, mesmo não sendo na hora... porque todo mundo sabe que posso ser a pior pessoa do mundo quando estou mal...

Estou agora ouvindo músicas que deixariam qualquer um pra baixo, mas a mim não já que elas fizeram parte de muita felicidade minha... épocas em que era tão fácil se livrar daquela velha blusa azul da qual tanto sinto falta...

Hoje vejo o quanto era estranho ter conhecido pessoas que fizeram parte de tantas histórias paralelas a minha e nunca tendo notado aquele sutil detalhe ali do lado... algo tão familiar que nunca achei que fosse ter importância...

O que será que devo fazer agora que estou com crise de personalidade afetiva? Esse foi o termo que inventei para nomear o que estou sentindo agora... É tão estranho ser a pessoa magoada, mesmo tendo sido eu que magoei... Já não estou mais me suportando... Acho que estou é precisando de uma boa noite de bar... Beber até capotar, mas não pra dizer que esta será a Ultima partida de bilhar... pois não será...

Bem, acho que estou em falta com muita coisa na minha vida e acho que está na hora de dar real atenção a elas... Deixar o mundo explodir por tão pouco é idiotice, até mesmo para mim...


Obs.: A citação a cima é do livro A menina que roubava livros... vale a pena conferir...

O teu amor é uma mentira

O teu amor é uma mentira
Que a minha vaidade quer
E o meu, poesia de cego
Você não pode ver

Não pode ver que no meu mundo
Um troço qualquer morreu
Num corte lento e profundo
Entre você e eu

O nosso amor a gente inventa
Pra se distrair
E quando acaba a gente pensa
Que ele nunca existiu

O nosso amor
A gente inventa
Inventa
O nosso amor
A gente inventa

Te ver não é mais tão bacana
Quanto a semana passada
Você nem arrumou a cama
Parece que fugiu de casa

Mas ficou tudo fora de lugar
Café sem açúcar, dança sem par
Você podia ao menos me contar
Uma história romântica

O nosso amor a gente inventa
Pra se distrair
E quando acaba a gente pensa
Que ele nunca existiu


Para dar um pouco o ar do que estou sentindo nesses dias... estou bem, fim de relacionamento, de volta pra casa, perdindo em outros estados... mas de volta a vida real...vai demorar, mas vai passar... é isso que me conforta...saber que você ficará pior que eu estou agora...

Preciso aprender a ser menos...

Menos dramático. Menos intenso. Menos exagerado. Alguém já desejou isso na vida: ser menos? Pois é. Estranho. Mas eu preciso. Nesse minuto, nesse segundo, por favor, me bloqueie o coração, me cale o pensamento, me dê uma droga forte para tranqüilizar a alma. Eu preciso diminuir o ritmo, abaixar o volume, andar na velocidade permitida, não atropelar quem chega, não tropeçar a mim mesmo. Eu preciso respirar. Me aperte o pause, me deixe em stand by, eu não dou conta do meu coração que quer muito. Eu preciso desatar o nó. Eu preciso sentir menos, sonhar menos, amar menos, sofrer menos ainda. Aonde está a placa de pare bem no meio da minha frase? Confesso: eu não consigo. Nada em mim pára, nada em mim é morno, nada é pouco, não existe sinal vermelho no meu caminho que se abre, me chama e eu vou com o coração na mochila, o lápis borrado, o sorriso e a dúvida, a coragem e o medo, mas vou. Existe aí algum remedinho para não-sentir? (...) Quer saber? Existe. Existe e eu preciso. Preciso e não quero.

Bem pessoal, eu sei que ando meio em falta com vocês, mas prometo voltar a me ativar nesse mundo novamente... Não como de costume até porque estou meio atolado com o resto do meu mundo... Trabalho, namoro, faculdade, vida social e diversas outras coisas na qual me meto...

Bem, trouxe aqui para vocês um belo texto que catei em certo lugar encontrável, de autoria de Fernanda Melo, mas passei para o masculino para não causar transtornos... bem...sorrisos e reencontros... até lá...

G+

Mostruário...

Qualquer Coisa © 2008. Blog design by Randomness